Assembleias na Adufac discutem rumos da greve e postura  da reitoria local

Comando de Greve Nacional vai elaborar pauta mais “enxuta” ao MEC

Esta semana durante as assembleias regulares da Associação de Docentes da Ufac (Adufac), foi discutida a posição da reitoria da Universidade Federal do Acre (Ufac) em não negociar a pauta local e o direcionamento da pauta nacional, após a possibilidade de o Ministério da Educação (MEC) abrir uma mesa setorial para dialogar com a categoria.  Segundo o Comando de Greve Nacional, é importante “enxugar” as propostas para flexibilizar as negociações em mesa.

Professor na Ufac há 13 anos e membro do Comando de Greve local, Edcarlos Miranda conta que os professores não receberam bem a notícia da posição da reitoria da instituição, e que o reitor Minoru Kinpara teria sido citado em diversas falas indignadas. “Foram colocadas questões de autoritarismo, também as contradições de apoiar o movimento grevista nacional e não receber o movimento grevista local e o fato de discutir a pauta no Facebook”, esclarece Miranda.

De acordo com o professor, o encaminhamento dado pelo Sindicato Nacional para ajudar no processo de negociação atual, é que as instituições discutissem em cada estado cinco pontos importantes para a pauta nacional e que elaborassem um documento para ser votado e fazer parte do documento final que será apresentado ao MEC.

“São cinco eixos que tem desde a reestruturação da carreira, que variáveis podemos modificar ou contribuir para esse processo de negociação, como também pontos que vão desde a contratação de professores, condições de trabalho, obras, etc. O Comando Nacional vai estar esperando uma mesa de negociação com o MEC com algo mais enxuto”, explica o professor.

Mesmo com o documento elaborado pelos estados e finalizado com o Comando Nacional, o Governo Federal ainda não deu uma previsão para que a mesa setorial seja estabelecida, isso na prática significa que a greve será mantida até que exista algum resultado nas negociações.