ADUFAC: 36 anos de luta, construção, resistência e defesa da Universidade Pública e Gratuita

 

Imagem oficial

Em 2015, ao comemorar 36 anos a ADUFAC demonstra a sua força, resistência e muita disposição de luta na defesa da Universidade Pública e Gratuita e, dos direitos da categoria em geral e, em particular dos nossos sindicalizados. Vivenciamos uma greve dura de 4 meses, frente a um Governo intransigente no processo de negociação que tem adotado uma política de ataque aos direitos trabalhistas, de privatização dos serviços públicos e, da Universidade em particular. Muitas tensões e conflitos marcaram essa árdua caminhada tanto a nível nacional, como a nível local, com uma Reitoria que apoiava publicamente o movimento, mas que de um lado desrespeitou uma pauta local de reivindicações construída de forma democrática, representativa e legítima pela categoria docente e, por outro, patrocinou a tentativa de pôr fim à greve.

A greve como um dos instrumentos de luta da classe trabalhadora, da qual fazemos parte foi um momento rico de formação política, onde pudemos refletir e analisar as nossas reivindicações, buscando compreende-las frente à análise rigorosa da conjuntura, de crises cíclicas do capital financeiro, ou seja, aprendemos que a nossa luta é mais do que justa porque temos como professores o dever de resistirmos ao lado de outras categorias, aos ataques aos nossos direitos conquistados historicamente pela força da greve, dentre os quais, podemos destacar o Regime de Dedicação Exclusiva (DE) e a aposentadoria integral.

Direitos estes que estão seriamente ameaçados e prejudicam a categoria dos professores e consequentemente a manutenção da Universidade Pública e Gratuita e, em última instância a oferta deste serviço essencial e, que constitucionalmente deve ser ofertado à toda população.vA esta demonstramos nosso profundo respeito, na medida que buscamos por todos os meios apresentar as denúncias que vem sendo executadas, na perspectiva de privatização dos serviços públicos em geral e, da educação em particular. Nesta em especial, fizemos com outras entidades da área da educação, um ato intitulado Empate em Defesa da Educação Pública, a exemplo daqueles que outrora defenderam a nossa floresta, deixando-nos este importante legado de resistência.

Denunciamos, mediante este ato a perversidade de uma política que destina quase metade de nossas riquezas (PIB) para pagamento de amortizações e juros da dívida externa, destinando poucos recursos para áreas prioritárias, como saúde e educação, que sofreram graves e nefastos cortes, para garantia do ajuste fiscal proposto pelo governo, que teve como objetivo satisfazer as necessidades do capital financeiro.

E, por fim, são 36 anos de luta, construção, resistência e defesa da Universidade Pública e Gratuita que não se encerra com a Greve e, nem na atual Gestão do Sindicato, mas que terá continuidade e força nas próximas, porque lutar é necessário, para que as gerações futuras saibam que não ficamos imobilizados e/ou coniventes quando um de nossos maiores patrimônios esteve sob ataques constantes. E, que lutamos para que continuem usufruindo do direito de ter uma Universidade Pública e Gratuita como um dia todos nós professores tivemos. Parabéns a todos que resistiram ao longo desses 36 anos, e que continuem pelos próximos anos.

 

Gilberto Francisco Alves de Melo

Presidente da ADUFAC