Docentes da Universidade Estadual do Piauí aprovam estado de greve

Docentes deram prazo até a próxima quarta-feira e caso o governo do estado não apresente uma solução para as reivindicações, a categoria deve deflagrar greve por tempo indeterminado

Em assembleia geral, realizada na manhã desta quinta-feira (7), docentes da Universidade Estadual do Piauí (Uespi) decidiram entrar em estado de greve. Isso quer dizer que, a partir de hoje, a categoria está em estado permanente de assembleia e pode, a qualquer momento, deflagrar greve geral.

Na assembleia também foi aprovado estabelecer um prazo até a próxima quarta-feira (13) para que o governo do estado apresente uma solução para as reivindicação. Nessa data, haverá audiência de negociação com o Secretário de Administração, Ricardo Pontes, pela manhã. O resultado da reunião será avaliado em assembleia geral marcada para quinta (14).

“Se o governador Wellington Dias e sua equipe insistirem em tratar com descaso os professores da UESPI, nossa única opção é deflagrar greve por tempo indeterminado. Estamos desde fevereiro tentando abrir uma janela de negociações, mas até agora o governo não apresentou sequer uma proposta para as reivindicações da categoria. Vamos esgotar todos as tentativas de negociação”, afirma a professor Rosângela Assunção, coordenadora geral da Sessão Sindical dos Docentes da Uespi – Adcesp SSind do ANDES-SN.

Mesmo saindo do limite prudencial da Lei de Responsabilidade Fiscal e tendo sido acordado em reunião de negociação, o governo do estado não implementou as promoções, progressões e mudança de regime de trabalho dos docentes e também não regularizou o salário dos professores temporários, que estão sem receber há três meses. Além disso, o governo ainda se nega a fazer uma contraproposta aos doce

ntes da Uespi com base nas reivindicações apresentadas.

*Com edição do ANDES-SN

 

 

 

Fonte: Adcesp SSind.